BLOG

Últimas do blog:

Coordenadoras de pesquisa clínica no CEPHO falam sobre o papel da área na condução de estudos clínicos

Compartilhe:

O coordenador de pesquisa clínica pode ser considerado como o cérebro de um estudo clínico, e assim como em um organismo vivo, é responsável por ordenar e estruturar todas as funções que precisam ser realizadas para que o objetivo do estudo seja alcançado. Dessa forma, esse profissional vai ajudar a garantir que todas as engrenagens do processo fluam de forma assertiva e que o protocolo clínico seja seguido à risca.

Nesse sentido, ele precisa se preocupar com os 3 pilares principais de qualquer pesquisa: o centro de pesquisa onde o estudo será conduzido, os voluntários e os patrocinadores. É importante que ele esteja sempre atento e mantenha um contato regular com todos eles para se certificar de que todos estão alinhados ao propósito da pesquisa clínica. 

O coordenador é quem vai ajudar nas medidas, nos exames, na viabilização de cada etapa acontecendo conforme diretrizes pré existentes e nunca esquecendo de levar em consideração os efeitos adversos e medicações proibidas, por exemplo. 

Para o centro e os patrocinadores, o coordenador será responsável por espelhar todos os passos para CRF e responder a qualquer pendência durante o estudo, mantendo um diálogo claro e preciso com ambos. Dessa forma, também conseguem auxiliar o médico e repassar informações para a equipe de enfermagem e de farmácia, fazendo assim com que elas possam dar continuidade ao seu trabalho.

A CFR, sistema onde a coordenação transcreve todos dados que foram gerados das visitas dos pacientes, é uma importante aliada no que tange o acompanhamento dos patrocinadores em relação às informações sobre a pesquisa.

Para Stephani Ferreira, a importância do coordenador de pesquisa “não é necessariamente voltada para o centro. Quando falamos de importância eu sempre penso primeiro no paciente, e de certa forma, um tratamento mais humanizado pode ajudar a gerar uma nova oportunidade para ele”. 

Esse tratamento humanizado deve estar enraizado não apenas nos coordenadores de pesquisa, em toda equipe que irá gerir o estudo clínico, trazendo assim, mais segurança e confiabilidade dos voluntários e patrocinadores, edificando ainda mais um centro de pesquisa com a qualidade do CEPHO.